Design thinking na educação, isso é possível?

 

O Design Thinking é um  conjunto de ferramentas que traz inovação e soluções criativas para problemas sociais e comportamentais. Quando aplicado no âmbito educacional não é diferente. Na escola encontramos desafios não somente em sala de aula na abordagem do ensinar e aprender, mas também nos setores diversos que a compõe.

 

Quando o foco aparece na sala de aula, os docentes precisam criar condições de envolver os alunos, incentivá-los a interagir com o problema, deixar que expressem suas inquietações dando voz a eles para observar outro ponto de vista. 

 

 

 

O caso envolvendo outros setores, é importante que todos os elementos estejam conectados fazendo parte do problema. Conversar entre as áreas trará um olhar refinado acerca do que é preciso ser enfrentado. Todos precisam interagir formulando ideias, levantando questões e assim alcançando a participação e colaboração de todos os membros. A escola é um lugar de aprendizagem e todos que a compõem devem ser participantes ativos no processo.

 

Porém, a proposta é mais do que desenvolver uma aprendizagem significativa, que parte dos conhecimentos prévios dos alunos e aproximação com seus cotidianos, o design thinking objetiva a resolução de problemas de forma inovadora e participativa. De modo que se possa conhecer o problema a fundo, planejar ações/intervenções e implementá-las. 

 

Debatido inicialmente nas ciências relacionados com o design, este conjunto de técnicas foi explorado mais profundamente pelas ciências da engenharia nos meados da década de 70 e levado as ciências administrativas por David M. Kelley. Hoje está presente em diversas áreas como por exemplo, tecnologia. Tendo Tim Brown como o autor contemporâneo que mais aborda esta temática. 

 

Tal metodologia requer uma nova orientação em que a interdisciplinaridade é condição imprescindível assim como a continuidade. Ou seja, não se trata de implementar um método com a execução de etapas estanques e fragmentadas. Desenvolver um projeto ou buscar uma solução com base no design thinking requer um processo, requer constância. Da mesma forma, a interdisciplinaridade é condição para complementaridade e completude das ações propostas considerando assim o problema ou a questão por diferentes vieses. 

 

Esse é um diferencial da metodologia! Ela tem foco no humano, mas a solução para a questão buscará elementos que dizem a respeito a tecnologia, a economia e outras áreas. 

 

O Design Thinking tem como premissa básica para o seu “funcionamento” com sucesso focar na solução e não na situação problema, isso pode ser de certa forma muito complexo, já que o problema origina a solução, contudo no design thinking deve-se pensar que a solução pode “servir” para mais de um tipo de problema, e evitar a geração de novos problemas devido a solução implementada.

 

Com 3 pilares orientadores: empatia, colaboração e experimentação, a metodologia do design thinking explora a compreensão dos fenômenos, a geração de ideias, a criação, a construção do conhecimentos e a resolução de problemas. Uma gama diferenciada de habilidade e competências.

 

Sendo assim, o educador que busca utilizar os métodos do Design Thinking em suas aulas, deve primeiramente se atentar há alguns elementos importantes, que são:

 

 

1. Design Thinking não é precisamente uma metodologia ativa tradicional, necessita de acompanhamento e direcionamento para ampliar as visões;

 

2. Não pode ser encarado como um método para “inflar” o plano de ensino, sendo somente uma estratégia de tomada de tempo;

 

3. Denota total o envolvimento do educador em cada processo;

 

4. É focado 100% na solução da situação problema e 110% nos alunos que estão buscando a solução.

 

 

Dessa forma, o Design Thinking é totalmente possível e recomendado nas aulas, pois estimula o desenvolvimento do aluno e o faz um ser pensante, desde que o educador compreenda a importância de cada técnica utilizada nos processos de empatia, definição, idealização, prototipação e testes, e promova o envolvimento de todos em cada etapa.

 

Nos próximos textos abordaremos mais especificamente como o educador pode desenvolver cada uma das etapas do Design Thinking em suas aulas. Até lá!

 

 

 

 

 

Allan Degásperi

Administrador e Mestre em Inovação

https://www.linkedin.com/in/allandegasperi/

 

 

 

 

 

Anelize Albuquerque

Pedagoga e Pós graduada em Psicopedagogia com Especialização em Educação Infantil e Alfabetização. 

https://www.linkedin.com/in/anelize-albuquerque-324833176

 

 

 

 

 

Pauliane Romano 

Pedagoga e Doutoranda em educação

https://www.linkedin.com/in/pauliane-romano-b1453218a/

 

 

 

Este artigo é um conteúdo colaborativo que faz parte do Projeto Multiplique, que visa fomentar, discutir e debater temas relacionados à nova educação. 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

A Transição da Educação e a Reinvenção da Prática em Sala de Aula

February 12, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Procurar por tags